Manifesto do coletivo Pó de Poesia

O Poder da Poesia contra qualquer tipo de opressão
Que a Expressão Emocional vença.
E que o dia a dia seja uma grande possibilidade poética...
Se nascemos do pó, se ao morrer voltaremos do pó
Então queremos Renascer do pó da poesia
Queremos a beleza e a juventude do pó da poesia.
A poesia é pólvora. Explode!
O pó mágico da poesia transcende o senso comum.
Leva-nos para um outro mundo de criatividade, imaginação.
Para o desconhecido; o inatingível mundo das transgressões do amor
E da insondável vida...
Nosso tempo é o pó da ampulheta. Fugaz.
Como a palavra que escapa para formar o verso
O despretensioso verso...
Queremos desengavetar e sacudir o pó que esconde o poema...
Queremos o Pó da Poesia em todas as linguagens da Arte e da Cultura.
O Pó que cura.
Queremos ressignificar a palavra Pó.
O pó da metáfora da poesia.
A poesia em todos os poros.
A poesia na veia.


Creia.


A poesia pode.


(Ivone Landim)



sábado, 30 de março de 2013

Mulheres

Extrapolam a pele
Exprimem-se em redes densas
Figuram e transfiguram
Solidificam e se desmancham
Compreendem toda a essência
Da existência,
Da sapiência,
Dos gritos e dos silêncios.
Mulheres
Trazidas ao mundo
Pra clarear horizontes
Pra injetar luz
A um ser que só tinha
membros, tronco e um falo.

              Jorge  Medeiros
               (29\03\2013)

"o credo"

à autofagia da insolução imediatista
causa. e arbítrio revogado, acto fértil
auto-estrada da minha própria dívida
oh! asa vã em costume de excessos

à cada linha tênue que te livra de mim 
por resolução, é queda da minha venda
em tardio e oposto lado de ter(e) assim
qual longe.. qual fome e à mesma cena

por espelho redundante que te despe
à demanda e ao açoite em penitência
pagã cortina que te deito, à fé de febres

tal um livro desdito em mentira amena
ao suave toque dos teus lados carnais
é. minha! opção de regresso que te refaz




oh,
carta que te cubra de mim,
 (...)



Soneto de Azke

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=244763#ixzz2P3QxlG7q
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

OS QUE VÃO MORRER TE SAÚDAM


Remoção...
Remoção...
Balas de borracha, spray de pimenta,
Gás e porrada
No cidadão.

Arnoldo Pimentel

quinta-feira, 28 de março de 2013

Fanatismo I

os pecados cometidos
durante sua vida inteira

serão todos redimidos
por um santo de madeira

a fiéis, cruéis, vendidos
cada qual a sua maneira

o paraíso é resumido
num livro de cabeceira

Autor: Acento agudo

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=239888#ixzz2OssBjcnM
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

Ants

Hoje estou cansado
Dói-me o corpo da realidade compressora sobre a carne
E dói-me a cabeça com o peso destes pensamentos sólidos.
Estou cansado 
Não pelo que fiz hoje 
Mas pelo que tenho agendado para fazer amanhã.

Se soubesse que ia morrer esta noite 
De certo andaria folgado e leve
Por não ter nada para fazer amanhã. 
O que me cansa são os dias programados 
A repetição no pensamento, antes de acontecer a repetição dos dias
E cansa-me mais a certeza de pensar nisto
Do que tudo o que tenho para fazer e que sei que não farei
E esta certeza aleija-me o corpo como culpa de faltar com a vida.

Quisera o destino que fosse humano 
E que tivesse pensamentos sólidos 
Sobre qualquer coisa que cheira a céu e a divino 
Quando deveria ser formiga, feliz por não pensar repetições 
E por andar sempre junto à terra. 

Ando farto de ser deus do meu destino por cumprir.

Hoje estou cansado da realidade de não ser formiga.
Estou sentado numa cadeira a ver formigas 
A passarem encarreiradas na labuta automática de não pensarem amanhã
Nem no segundo seguinte, nem na morte a consumir-lhes o tempo.

Estou sentado na cadeira que me persegue para onde eu for
E cansado de fugir dela 
Cansado de ser eu e ter pensamentos sólidos 
Agarrado à vida e a coisas vagas como amanhãs com cheiro de morte.
Cansado 
De ver formigas.

Poema de Nuno Marques

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=244595#ixzz2OpM2OAKl
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

domingo, 24 de março de 2013

Momento ou poema de vida (inteira)

E eu, dividido e disperso no tempo.
Dia por dias, passados e futuros, que me imprimem fotocópia.
Imagino-me na totalidade, repartido por folhas diversas
Respeito instruções, a vida fora do corpo, de uma gráfica universal
Sigo à risca e metodicamente o manual do sapiens republicado
Onde à nascença foi carimbado o meu nome.

Para amanhã, já me dei à luz
Alimentei-me de rotina para morrer ao fim do dia
Mas hoje, sem a asma que sei que sentirei amanhã pela manhã
Sem o ar de frete que me trazem outros na cara na fila do trânsito
Sem trabalho, sem almoço, sem cigarros, sem mais trabalho a tarde toda
Sem o embrulho no estômago… jindungo no cu de todos os meus eus
Sem luzes agarradas aos faróis na fila de volta a casa
Sem banho, sem jantar, sem bola na TV, sem cama e sem sono
Hoje, sem nada do que me fará ser eu amanhã.

Delírio passado ou verborreia inútil
Nasci em partos complicados e criei-me igual todos os dias
E nem num apenas, me mandei a merda e fiquei a dormir.
Noites, insónias suadas
E guilhotinas suaves para encadernar vida em pensamentos.
Lição futura ou cáustica previsibilidade.
Crio-me de novo, cómodo, e de novo e para o ano inteiro
Amamento-me e cresço nos lençóis surrados da preguiça de os mudar hoje

E eu, tantos
Já sou tantos, antes e depois, que agora, não sei qual sou realmente
Que importa, sou todos, uns iguais aos outros
E de todos, não quero ser nenhum de mim
Convoquei-os, mesmo àqueles que já esqueci
Reunião, assembleia-geral, eu com os meus eus reunidos à minha volta
Todos intimados a escrever sobre quem sou.

O tempo não existe
E eu, momento, folhas brancas.
Folhas brancas
Ou uma vida inteira.

Poema de Nuno Marques

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=244364#ixzz2OVEvvgfV
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

sábado, 23 de março de 2013

Poema da vida inteira


Outrora, qual a Aquiles,
Quase me devoraste,
Escamandro furioso,
Procela borrascosa – desmesura.
Espremeste-me contra paredes,
Pegaste-me pelos gorgomilos,
Exigindo-me tudo o que não tinha,
Tudo o que perdi ou vendi,
Tudo o que sempre exigiste de todos:
Venalidade!
Enquanto três bocas
Choravam ruidosamente.
Nestas horas, roubaste-me
Até meu corcel negro,
E quando pedi ajuda, decretaste:
“ – Não sei se é verdade... te vira, rapaz!”
Grande artista da esquiva e da omissão,
Quase me arrancaste todas as lágrimas,
Fazendo-me sinistros convites ao mar.
Terrível alquimista,
Transformaste todo meu mar e sal
Em pedra, todo meu céu e lume em lodo.
Entretanto, estou aqui:
Mil vezes amado, desprezado,
Mil vezes perdido e sem caminho,
Mil vezes sem profecia ou futuro
A te encarar nos olhos... vivo!
Com os ombros curvos
De quem muitas vezes baixou a cabeça,
Em cadeira, de quem quebrou
Orgulhosa cerviz.
Hoje, estou aqui te encarando,
A esboçar um sorriso,
Sem perigo de virar pedra.
Outros choram, lamentam-se,
Preferem puxar o gatilho da melancolia,
Embriagar-se da memória dos que partiram.
Comigo não é assim:
Já não sinto sede ou fome
Na língua seca, no estômago enjoado.
O esquecimento é o bálsamo
Que ofereces a esta esponja ressequida.
Hoje, vozes compungidas
Calaram-se em meu peito,
Aguilhões a me ferirem
Já não fazem mal
À carne afeita à dor.
Agora, admiro tardes iluminadas e frescas
Que tanta luta ensombrou, esfriou,
Que tanto arrependimento transformou
Em noite e tempestade...
Sinto-me faltoso, por isso humano, completo.
O futuro não mais me inquieta: vivido está!
Perdido está!
O passado dia-a-dia julga-me,
Mas vou sempre sorvendo as velhas mentiras
Que imobilizam toda a culpa
E as revoluções deixadas por fazer...
O presente reduziu-se a um zéfiro suave,
À profunda aceitação.
Este momento sem perspectivas, metas,
Ou pegadas encapsula-me.
Sou duro, carne de pescoço.
E agora?
Pergunta que já não cabe mais:
Agora estou completo, perdido,
Perdido...


Felipe Mendonça -
Todos os direitos reservados

terça-feira, 19 de março de 2013

"perjúrio,"

(não.)eu nao quero. nem a parte que te corrompe. nem ontem..
eu não tomarei este lado. ora, nem mesmo alvo por explícito!
não deitarei à relva da noite que te ouve, nem ao palco do ar fictício
da morada refém em desigual referência ou alta que te comprem

eu não abrirei os teus olhos mais.. eu sequer, posso te sentir
ao crime que te referi, ao prêmio da minha carne, é: tão.. tarde
ah, eu.. preferia ter-lhe o retrato em branco, à vénia única de ti
mas, hoje/amanhã e depois eu não tentarei a porta que te abre

cai. peça da minha virtude!! tão impulso de reter-me ao chão..
prévia da minha mão.. minha mesa de frutas e o único pão
tal registro da letra que te corre o ventre, da pena que te quer

cai. peça da minha íliada preparada pra perder.. do pecado e fé.
terra de contos quaisquer.. à linha de partes e curvas e frentes..
ao exercício de mentir-te mil dias, mil vezes.. mil letras, e. sempre


Soneto de Azke

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=243984#ixzz2O285wOnD
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

Brincadeira tem hora

Brincar com as palavras
é reconfortante
Somente nesse patamar
as brincadeiras
são possíveis
Não gosto de ludicidade
com os corações
alheios

                 JORGE MEDEIROS
                    (15\09\2010)

sexta-feira, 15 de março de 2013

"torrente"

barcos e rumos em descidas de tais velas 
tardes e cartas em sumos livros degolados
ávidos corpos em dança de mares e pecados
barcos e crimes em alferes iguais destas telas

oh! sereia que te conto ver à noite mais livre..
ao alvitre que devolve em cura puta qual convém
tarde te sejam os seios, os sêlos e o filme
pois, se cantam-te aos ecos, levam-te também

e já cai o horizonte anulado de tolas peças frias
quais tragédias erguidas em comunhão e cor
e carregam-te à imagem que te fiz, e toda a dor

qual assaz delinquência à queda-prévia de cenas
todas estas, vénias. todas elas, à leve novena
do meu terço em credo do teu nome que o desvia





a todo: um dia(outro) teu..


Poema de Azke

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=243596#ixzz2Nc6oLvRH
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

quinta-feira, 14 de março de 2013

pequena flor na janela

pintei o céu quando encontra o mar, e muda de cor lentamente até morrer. enquanto a vida cresce em volta dominando as folhas do calendário, o coração batendo pra onde nasce a chuva, em seus olhos rasos d’água. as ruas começam a estreitar no vagar macio do vai e vem dos seus cabelos. chora o silencio em partes iguais, tal brisa e pipas no fio, que o vento leva pra qualquer lugar... a paz dos moinhos, o quê os braços vão querer e os olhos irão apagar. como um pincel livre por todo céu, e acorrentado à revoada de uma ave. porque uma asa me morre.



Poema de Vânia Lopez


Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=243558#ixzz2NZ3D0obY
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

Boa noite

?

Quando o manto de horas negras cobre a luz de todos os lugares
Não restam sonhos inocentes, nem sentimentos sinceros
Dentro de corpos embriagados, vestidos de vício

Sem sentir, vagueiam sem sentido

Rasgando noites imperfeitas cobertas com véus transparentes
Onde atrás de cada porta o mistério toma a forma de sorrisos
As curvas assumem-se suaves, como idílicos paraísos
Na terra das sensações pronta a conquistar

É o princípio da viagem ao fundo do ser

Quantos corpos largados, dias, semanas, meses por amar?
Tantos brilhos transformados na solidão sob o luar
Tantos corpos enganados por promessas ao por do sol
Vencidos, sem encanto, pela indiferença do destino.

Quando este manto de horas negras revelar o infinito céu estrelado
Cobrindo a vontade de metade do mundo
Mostrará a sua nocturna imensidão, onde cada ponto brilhante é vida
É sonho, por mais ínfimo que seja é luz.

Sim, pode ser diferente.


Poema de Nuno Marques


Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=243521#ixzz2NW6XXmYv
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

sábado, 2 de março de 2013

Poesia, MPB e cultura cigana marcam o primeiro Sarau Donana de 2013


Eud Pestana

                                                                              Ana Cajueiro


Roberto Lara


                             
                                      Alessandra David e a companhia de dança Kaminhoo Cigano
                                
                                                                Ivone Landim



                                                                    Dida Nascimento



Marcio Rufino


Camila Senna


                                                               Gabriela Boechat
                                                     

                                                                     Idi Campos



                                                                       Moduan Mattus


                                                                             Sil


                                                          Josy Louzada


                         A menina Marília recita José Paulo Paes sob os olhos orgulhosos da mãe Sil


                                            Pó de Poesia e Enraizados juntos e misturados




                                                                          Poeta Xandú
                     



O Desmaio Públiko foi um coletivo poético que agitou a cena cultural da Baixada Fluminense na última década do século 20. Seus poetas integrantes interpretavam suas performances de forma supreendentemente teatral nos bares, tomando de assalto a boemia da região. Foi para contar a história de sua formação entre outros momentos marcantes do já lendário grupo cultural que o poeta Eud Pestana - um de seus idealizadores ao lado de Cézar Ray - e sua companheira, a também poeta Ana Cajueiro, se apresentaram especialmente a convite do coletivo Pó de Poesia na edição de fevereiro que abriu o Sarau Donana do ano de 2013 no Centro Cultural Donana, na cidade de Belford Roxo.

O sarau também teve a participação especial do cantor e compositor Roberto Lara que cantou e tocou diversas de suas composições. A educadora Alessandra David se apresentou com sua companhia de dança cigana Kaminhoo Cigano da Fundação Santa Sara de Kali, nos mostrando e contando um pouco da trajetória da cultura cigana na história da humanidade.

De resto o que rolou foi muita poesia com os poetas do Pó de Poesia como Ivone Landim, Marcio Rufino, Camila Senna, Idi Campos, Gabriela Boechat e do Desmaio Públiko como a própria Ivone, Eud, Ana, Moduan Mattus, Sil e a atriz Josy Louzada. A trupe do Movimento Enraizados Dudu de Morro Agudo, Slow da BF e Samuca Azevedo também prestigiaram o evento nesta linda noite de sábado.