Manifesto do coletivo Pó de Poesia

O Poder da Poesia contra qualquer tipo de opressão
Que a Expressão Emocional vença.
E que o dia a dia seja uma grande possibilidade poética...
Se nascemos do pó, se ao morrer voltaremos do pó
Então queremos Renascer do pó da poesia
Queremos a beleza e a juventude do pó da poesia.
A poesia é pólvora. Explode!
O pó mágico da poesia transcende o senso comum.
Leva-nos para um outro mundo de criatividade, imaginação.
Para o desconhecido; o inatingível mundo das transgressões do amor
E da insondável vida...
Nosso tempo é o pó da ampulheta. Fugaz.
Como a palavra que escapa para formar o verso
O despretensioso verso...
Queremos desengavetar e sacudir o pó que esconde o poema...
Queremos o Pó da Poesia em todas as linguagens da Arte e da Cultura.
O Pó que cura.
Queremos ressignificar a palavra Pó.
O pó da metáfora da poesia.
A poesia em todos os poros.
A poesia na veia.


Creia.


A poesia pode.


(Ivone Landim)



quarta-feira, 12 de maio de 2010

Vitrines


















Demente
Silente
Nem sentes
Que mentes
Pra ti.
Sequer
Ressentes
Ao ter
Que à mente
Ludíbiro
Impor
De quem,
Semente,
Se mente,
Contente
Com isso;
De alguém
Que mente
Premente
Querendo
Tão ávido
Mais luxo,
Debuxo
De bruxo
Da cor,
Do talhe,
Do corte,
Do molde
Esguio,
Esbelto –
Reclamo
Vendido,
Mentido
Modelo
De ti:
Vitrines!
É que
Mentir
Te deixa
Ausente
De ti,
Da dor
Do ser
No eterno
Devir.
É que
Mentir
Te traz
Alívio
De não
Saber-te
Semente
Florente
No rente
De um chão
Que não
Se sente,
Se mente,
Nem mente
Semente,
Somente
Te brota,
Te rompe,
Te enruga
E faz-te
Arbúsculo
De músculo
Morrente.

Felipe Mendonça -
Todos os direitos reservados.

2 comentários:

ventosnaprimavera disse...

Tenho lido suas poesias aqui Felipe, sempre muito boas e bem escritas e com muita cultura.Parabéns.Arnoldo Pimentel

Felipe Mendonça disse...

Caro Arnoldo, obrigado pelo comentário. Se puder, irei ao lançamento de seu livro lá no Donana. Grande abraço