Manifesto do coletivo Pó de Poesia

O Poder da Poesia contra qualquer tipo de opressão
Que a Expressão Emocional vença.
E que o dia a dia seja uma grande possibilidade poética...
Se nascemos do pó, se ao morrer voltaremos do pó
Então queremos Renascer do pó da poesia
Queremos a beleza e a juventude do pó da poesia.
A poesia é pólvora. Explode!
O pó mágico da poesia transcende o senso comum.
Leva-nos para um outro mundo de criatividade, imaginação.
Para o desconhecido; o inatingível mundo das transgressões do amor
E da insondável vida...
Nosso tempo é o pó da ampulheta. Fugaz.
Como a palavra que escapa para formar o verso
O despretensioso verso...
Queremos desengavetar e sacudir o pó que esconde o poema...
Queremos o Pó da Poesia em todas as linguagens da Arte e da Cultura.
O Pó que cura.
Queremos ressignificar a palavra Pó.
O pó da metáfora da poesia.
A poesia em todos os poros.
A poesia na veia.


Creia.


A poesia pode.


(Ivone Landim)



sábado, 6 de novembro de 2010

Amor Recipiente

Ar rarefeito
Amores desfeitos
Todos os enlaces atuais
São vínculos líquidos
Que transbordam os copos
Escorrem pelos cantos,
Mãos, ralos e vãos.

Relacionamentos são fluídos
São exatos para o recipiente
De vidro, puro cristal
Que estala, racha
Quebra, esvai-se...
O amor, que é líquido,
Escapa e transborda
Outro copo.

Jorge Medeiros

3 comentários:

Arnoldo Pimentel disse...

Muito bonito seu poema, gosto da sua maneira de escrever.Parabéns.

Felipe Mendonça disse...

Jorge, Gostei muito desse poema, especialmente da imagem final. Você está certo. Em nossa época tudo se tornou fluido, passageiro, principalmente as emoções. Grande abraço.

Leila Silveira disse...

o amor não desanda
gelatina o liquido
no copo
toma forma e corpo
nao de copo
mas de taça
porque bebe-se
todas seivas de vida
numa taça fluídica
poesia poema escrita.