Manifesto do coletivo Pó de Poesia

O Poder da Poesia contra qualquer tipo de opressão
Que a Expressão Emocional vença.
E que o dia a dia seja uma grande possibilidade poética...
Se nascemos do pó, se ao morrer voltaremos do pó
Então queremos Renascer do pó da poesia
Queremos a beleza e a juventude do pó da poesia.
A poesia é pólvora. Explode!
O pó mágico da poesia transcende o senso comum.
Leva-nos para um outro mundo de criatividade, imaginação.
Para o desconhecido; o inatingível mundo das transgressões do amor
E da insondável vida...
Nosso tempo é o pó da ampulheta. Fugaz.
Como a palavra que escapa para formar o verso
O despretensioso verso...
Queremos desengavetar e sacudir o pó que esconde o poema...
Queremos o Pó da Poesia em todas as linguagens da Arte e da Cultura.
O Pó que cura.
Queremos ressignificar a palavra Pó.
O pó da metáfora da poesia.
A poesia em todos os poros.
A poesia na veia.


Creia.


A poesia pode.


(Ivone Landim)



quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Menina do rio (Silviah Carvalho e Arnoldo Pimentel)



MENINA DO RIO (Silviah Carvalho e Arnoldo Pimentel)

Fiquei na margem do rio
Desanuviando minha mente,
Meditando na constância das águas
No desapego da alma, neste vazio...

Vi pessoas passarem as margens
E notei cada um faz seu próprio rio
E navegam em suas esperanças
Levando as lendas em suas bagagens

Vi a menina sentada à beira do rio
Sonhando com a felicidade
Esperando o boto... Não sei!
Que a tire da beira e se faça seu rei.

Na espera inútil a tristeza vem à tona
Não há encantamento... Eu chorei!
Vendo a tristeza nos olhos da menina
Do rio amazonas...

Eu vi a menina partindo só e com frio
Deixando nas margens o fim do seu rio
Eu a vi sofrer por um conto infantil
Eu soube que nunca mais ela sorriu

E eu! Ainda espero só,
Na margem do rio... do meu Rio

Um comentário:

disse...

Arnoldo e Silviah,
Mais um belíssimo poema que nos enche a alma.
Quero agradecer ao Arnoldo a possibilidade que me deu de chegar aqui, mandando-me o endereço.
Já deu uma olhada aos vários poemas. Comento apenas este, hoje, por mais afinidades pessoais com os autores. Mas prometo que comentarei os outros.
Grande abraço
Caldeira