Manifesto do coletivo Pó de Poesia

O Poder da Poesia contra qualquer tipo de opressão
Que a Expressão Emocional vença.
E que o dia a dia seja uma grande possibilidade poética...
Se nascemos do pó, se ao morrer voltaremos do pó
Então queremos Renascer do pó da poesia
Queremos a beleza e a juventude do pó da poesia.
A poesia é pólvora. Explode!
O pó mágico da poesia transcende o senso comum.
Leva-nos para um outro mundo de criatividade, imaginação.
Para o desconhecido; o inatingível mundo das transgressões do amor
E da insondável vida...
Nosso tempo é o pó da ampulheta. Fugaz.
Como a palavra que escapa para formar o verso
O despretensioso verso...
Queremos desengavetar e sacudir o pó que esconde o poema...
Queremos o Pó da Poesia em todas as linguagens da Arte e da Cultura.
O Pó que cura.
Queremos ressignificar a palavra Pó.
O pó da metáfora da poesia.
A poesia em todos os poros.
A poesia na veia.


Creia.


A poesia pode.


(Ivone Landim)



sábado, 7 de maio de 2011

Durante a chuva

Há duas horas rodando, a chuva tamborila sobre a minha cabeça, a cidade é

um aguaceiro só. Sinal ligado, carro frio, vidros embaçados, mesmo com o

aquecedor dando tudo. Chove. Somem os buracos, os guardas de trânsito e os

meus passageiros. Nem um ponto onde parar pra tomar um café e papear com alguém.

Água sobre todas as coisas e intenções. Na frente do restaurante chinês, alguém acena,

apenas um vulto e a esperança de pelo menos, levantar o calcanhar da merda. Uma

mulher, morena, esguia, um casaco que não dissimula o corpão bem modelado. Ordena

aeroporto. Desligo o sinal. Finalmente ocupado, uma promessa de boa corrida, desde

que pinte um retorno, com um tempo desses. O retrovisor interno me oferece uns olhos

congestionados e duros, uma firmeza que se estende a um queixo decidido e belas

pernas, ainda molhadas de chuva, casaco aberto, mas jeito de pé atrás. Uma voz

tranquila pergunta se pode fumar; claro, o meu coração é de jesus e o pulmão da souza

cruz, há vinte e seis anos, respondo, em troca de um riso e do clique do isqueiro, um

zippo novinho, iluminando olhos negros, de uma beleza diferente, meio escandalosa;

algo de safadeza e orgulho, batidos num liquidificador, com meio copo de campari e

uma rodela de limão galego. Seguimos, rastreados pelo temporal em evolução.

Engarrafamos umas tres vezes; não basta a chuva, ainda existem as murrinhas que

parecem hibernar com o tempo frio e ficam bestando, sob um sinal de trânsito. Digo

um palavrão, peço desculpas, quando lembro que graças às murrinhas consigo espaço

nessa cidade louca e fica bem ser educado com uma mulher tão gostosa, tão perto e tão

distante de mim. À nossa frente, a avenida que leva ao aeroporto, um grande

piscinão,

de um lado a outro. Os maloqueiros já na espreita, sob as marquises, esperando os

carros estancarem, para a aproximação com olhar caridoso e risinho sádico, cobrando

vinte paus pelo auxílio luxuoso do empurra e da flanela esfarrapada para enxugar

sabe

Deus o que, além do meu bolso. Coço a cabeça, olho pra trás, tal um culpado desse

aguaceiro todo; sugiro pegar uma transversal, ela sorri dessa vez com a boca e os

olhos, negros, brilhantes, profundos como o rio do inferno, um dar de ombros como

resposta. Rodamos uns dois quilômetros, até esbarrar noutro rio de chuva, já com o

aeroporto à vista. Engato uma ré, mas ela pede pra parar. Pergunta o preço da

corrida,tira o dinheiro da bolsa, pega um revólver 38 do bolso esquerdo do casaco,

coloca

na bolsa, abotoa o casaco, passa o dinheiro, agradece, sai do carro e caminha pela

divisória das faixas de trânsito. A chuva diminui um pouco. Na calçada, as árvores

erguem seus galhos nus, como quem implora.

Conto de André Albuquerque.

Um comentário:

Elisabete Lira disse...

Seu blog é muito interessante...
Estou te seguindo.... Tenha um Lindo Dia!
Siga meus Blogs: http://cartasdeumcoracao.blogspot.com/
E http://deusemminhaalma.blogspot.com/