Manifesto do coletivo Pó de Poesia

O Poder da Poesia contra qualquer tipo de opressão
Que a Expressão Emocional vença.
E que o dia a dia seja uma grande possibilidade poética...
Se nascemos do pó, se ao morrer voltaremos do pó
Então queremos Renascer do pó da poesia
Queremos a beleza e a juventude do pó da poesia.
A poesia é pólvora. Explode!
O pó mágico da poesia transcende o senso comum.
Leva-nos para um outro mundo de criatividade, imaginação.
Para o desconhecido; o inatingível mundo das transgressões do amor
E da insondável vida...
Nosso tempo é o pó da ampulheta. Fugaz.
Como a palavra que escapa para formar o verso
O despretensioso verso...
Queremos desengavetar e sacudir o pó que esconde o poema...
Queremos o Pó da Poesia em todas as linguagens da Arte e da Cultura.
O Pó que cura.
Queremos ressignificar a palavra Pó.
O pó da metáfora da poesia.
A poesia em todos os poros.
A poesia na veia.


Creia.


A poesia pode.


(Ivone Landim)



sábado, 16 de agosto de 2014

Pó de Poesia + Poesia de Esquina = Sarau Fora de Área




























Nos dias 15, 22 e 29 de julho e 5 de agosto Os coletivos poéticos Pó de Poesia e Poesia de esquina se uniram para promover uma série de encontros na Casa Rosa do Sesc Tijuca onde propunham oficinas de linguagens artísticas e culturais que tinham a poesia como principal vertente. Os encontros, que fizeram grande sucesso com seus participantes produzindo obras ligadas a poesia e às artes Plástica, culminaram com o grande sarau Fora de Área na noite de 9 de agosto que na platéia contou com muita gente; incluindo poetas que estão produzindo o que há de melhor na poesia contemporânea. No palco, a apresentação das poetas Viviane Salles (Poesia de Esquina) e Ivone Landim (Pó de Poesia) deram o tom da festa. A exibição do filme Donana de Cacau Amaral - centro cultural de Belford Roxo responsável pelo lançamento de bandas como Cidade Negra e Negril  e que atualmente abriga o Sarau Donana, apresentado pelo Pó de Poesaia - e a entrevista com o autor do best-seller Cidade de Deus Paulo Lins deram um charme especial à intervenção. No resto foi muita poesia com os poetas dos dois coletivos, poetas de outros coletivos e independentes presentes na platéia. Além das instalações feitas com obras artísticas dos participantes das oficinas, aconteceu um grande show com Dida Nascimento e sua banda que encerrou o encontro.

Um comentário:

Efigênia Coutinho disse...

PARABÉNS!
Queremos ressignificar a palavra Pó.
O pó da metáfora da poesia.
A poesia em todos os poros.
A poesia na veia.

Creia.

A poesia pode.

(Ivone Landim)